quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Ao meu maninho




Quando criança
sentiamos a cumplicidade no olhar
as brincadeiras
as broncas
No sentar para comer
as fantasias próprias da idade.
Horas de cochicho na cama
até pegar no sono.
Que o meu entardecer
seja o teu amanhecer,
só que esse sol é o mesmo
eu sou a mesma.
Toda vez que ver uma rosa
sabe que ela simboliza o amor
que sinto por ti.
Quando sentires uma brisa leve
sou eu a te abraçar
Ao olhares para o lago
ele estiver revolto
é a saudade dentro do meu peito.
A distância é um detalhe.
O pulsar do coração
é a esperança de alcançar mais rápido.
A chegada é a alegria
com o teu sorriso a acompanhar.